Feeds:
Posts
Comentários

Fomos a Praça Osório onde seria o espetáculo, fomos a Praça Santos Andrade onde seria o espetáculo… irônicamente o espetáculo será no relógio da Boca Maldita. O tempo… o tempo o tempo todo se apresenta como questão. O tempo da praça é dilatado…  para nossa surpresa que últimamente raramente temos tempo. O trânsito passa ao largo, as crianças passeiam, os casais namoram, os homens cochilam, algums pessoas moram… A praça é o descanso da cidade. A trégua.

Fotografias: Alessandra Flores

 

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Você tem tempo?

Pedimos ajuda a quem passava para estender nossos varais.

“Você tem tempo?” perguntávamos.

Alguns sim, outros não…

Jogamos água com flores no chão da praça Osório, enquanto cantávamos… tá caindo fulô , êh tá caindo fulô, lá do céu cá na terra, êh tá caindo fulô… então estendemos nossas rendas brancas ao vento.  Alguns perguntaram se era para vender, outros admiraram a beleza da trama, outros ainda ignoraram… passando, apressados…

Sem premeditar questionamos o tempo de quem passa, entramos no tempo da praça , atravessamos o tempo de quem tem tempo e de quem pensa não ter… e você? Tem tempo? E eu? Em que tempo?

Inspirações…

“…e novamente cá estou, entre caixas arrumadas para a partida. Novamente poucas vão comigo, a maioria espalho pela cidade. Não há perigo de perdê-las pois estão todas metodicamente organizadas em numeral, cardinal e decassílabos. São oitenta e uma grandes, duzentas e vinte cinco médias e vinte e tres pequenas, devidamente subdivididas em didáticas, arquetípicas, propositais  e equívocas, catalogadas pelas categorias: profissional, familiar, intelectual,emocional, psicológica, social e superficial. Assim, não há a menor chance de erro, e se um dia eu resolver voltar, saberei exatamente aonde estou…”

Histórias de Viajante

As meninas em campo, lavando, estendendo e refletindo. Filmado e editado por Luciano Coelho.

mãe

… minha mãe me ligou para dizer que leu o blog e eu escrevi enchugar…  e não enxugar. Gentilezas e preocupações de mãe. Quem mais faria isso? Deixei um sorriso terno escapar.

Só não sei em que lugar do blog cometi este erro crasso!

Recebi de Michelle um outro blog bacana. Coisas bem bonitas…

www.admiradoresdevarais.blogspot.com

Entre algumas que me chamaram  atenção, a tirinha acima. Lembrei dos bichos de pelúcia que pensamos em tirar o estofo, lavar e pendurar como fazia Irô, a mãe de Thayana. E das criaturas de Annette Messager…

Gostei MUITO deste vídeo de Pina Baush, queria postar o vídeo direto aqui, mas não soube! Alguém se habilita?

Hoje faz um sol maravilhoso e em breve nos encontramos com Ricardo Marinelli. Corpo. Corpo. Precisamos ir para o corpo.

 Lindo vídeo! O som da água , o longo vestido vermelho, a maneira como a dona do vestido se move… lindo

http://www.youtube.com/watch?v=4MK5Hbvuf3k

Estou pensando também no que nos disse Luciano… precisamos lavar antes de pendurar… água… cheiro de roupa limpa… água…

EnXugar ao sol… bem vindo seja ! valei-me meu SãoPedro! Valei-me minha Santa Clara!